Bio-Oil Portugal

Este site utiliza a tecnologia mais recente de modo a proporcionar-lhe uma experiência simples e funcional de utilização.
Para visualizar, por favor, instale um browser mais recente:
Google Chrome, Mozilla Firefox o Microsoft Edge

DATA: 14.12.2018

Xerose cutânea: quando a pele seca se torna um problema

 AÇÃO:

Xerose cutânea é sinónimo de pele seca. Deriva do grego “xero”, que significa seca e “osis”, doença.

Xerose cutânea é, na verdade, o termo médico para indicar pele seca, quando, a partir de uma pele que se retrai e se descama, tende a tornar-se problemática, cada vez mais áspera, opaca, sensível ou vermelha, descamada, pruriginosa e rachada.

Xerose cutânea é caracterizada por uma pele com falta de sebo e alterações estruturais do seu estrato córneo superficial que tendem a evoluir em perda de integridade da pele.

Essa situação favorece a perda de água superficial cutânea, devido à incapacidade da pele a acumular ou trocar com o ambiente externo.

Além disso, a hidratação superficial da pele é regulada pelo equilíbrio estrutural e funcional da sua superfície, um equilíbrio que se baseia principalmente na manutenção constante da concentração lipídica, na presença simultânea de humectantes naturais e na troca constante de água com o meio ambiente.

Sabendo a sua origem, é mais fácil prevenir e cuidar da pele seca.

Sintomas de xerose cutânea

A xerose cutânea é pele seca, ou melhor, pele que tende a ficar cada vez mais seca.

É caracterizado por vários passos:

  • no início, parece opaca, sem brilho, repuxada e áspera ao toque;
  • se nada for feito, torna-se muito seca ou mesmo ultra-seca.

A xerose da pele pode evoluir para pele muito seca, tensa, escamosa, rachada e pruriginosa, até exacerbações, com prurido intenso, extrema aspereza, descamação evidente e generalizada e presença de cortes dolorosos.

#ORGULHONAPELE: a xerose cutânea pode ser causada por diversos fenómenos que afetam não só o grau de hidratação da pele, como o grau lipídico da pele.

Click to Tweet

A desidratação promove a uma sensação de pele repuxada e perda do seu brilho e elasticidade. Por outro lado, a baixa concentração de lípidos, além de favorecer a perda de água, promove descamação e hipersensibilidade.

Em casos de xerose cutânea verificam-se alterações visíveis epiderme.

Alterações na troca epidérmica

A epiderme é uma camada multi-estratificada da pele, em renovação celular contínua: da camada basal mais profunda à camada córnea superficial, as células da pele concentram-se na queratina, amadurecem nos queratinócitos e tornam-se células mortas.

As células mortas soltam-se à superfície para dar espaço a outros queratinócitos maduros.

A troca celular contínua garante à epiderme a sua capacidade de resistência ao meio ambiente, mantendo uma estrutura forte e elástica com uma função de barreira como a primeira linha de defesa do nosso corpo.

Alterações nesse processo enfraquecem a textura da pele e a tornam-na mais sensível a ““ataques”” externos de agentes físicos, químicos, sazonais e infecciosos.

Deficiência de ceramida no estrato córneo

A xerose cutânea também pode estar ligada à falta de ceramidas, substâncias lipídicas que fortalecem a textura da pele, cimentando os queratinócitos, as células superficiais que compõem o estrato córneo.

Os próprios queratinócitos produzem as ceramidas para preencher os espaços vazios entre as células que, além de tornarem a pele mais resistente e compacta, impedem a evaporação da água superficial.

Alterações na composição do filme de ácido hidrolipídico ou MAI

O FHL (Filme Hidrolipídico da pele) é uma camada fina que cobre todo o nosso corpo, que protege a pele da desidratação, por evitar que a água evapore. Desta forma, protege a pele de possíveis agressões por microorganismos presentes no ambiente e regulando tanto a troca de água como de outras substâncias com o ambiente externo.

É um manto impermeável, composto de 95% de sebo/óleos (que são várias substâncias lipídicas) que protegem a pele dando-lhe a suavidade, elasticidade e hidratação, isolando-a do ambiente externo e evitando a sua desidratação por oclusão.

O FHL pode ser definido como um creme natural produzido pela própria pele para se proteger do ambiente externo e manter sua hidratação fisiológica.

Falta de fator de hidratação natural da pele ou NMF

O NMF (fator de hidratação natural), juntamente com o suor, constitui os restantes 5% da composição do FHL. É constituido por aminoácidos misturados com substâncias açucaradas, ureia, sais e PCA, e desempenha uma função muito importante: retém a água na pele.

Na prática, se o FHL for um creme natural, o NMF é o agente humectante fisiológico da pele.

A sua função é manter a superfície da pele em contato com o ambiente levemente húmida, a fim de manter, o mais regularmente possível, a troca de água entre a superfície, as áreas mais profundas do estrato córneo e o ambiente circundante.

A água na superfície da pele difunde-se em profundidade do estrato córneo, de modo a manter um certo grau de humidade que reflete a necessidade de água das células superficiais da pele.

Além disso, a humidade é essencial na regulação da temperatura corporal, mantendo a hidratação constante da camada córnea da epiderme.

O NMF junto com o FHL regula perdas de água insensíveis ou Trans Epidermal Water Loss (TEWL), equilibrando a água perdida com dispersão de calor e ativando trocas com o meio ambiente.

A TEWL é considerada um indicador, um índice da integridade da superfície da pele e, portanto, da saúde da pele.

Causas internas e externas de xerose cutânea

A xerose cutânea está fortemente ligada a uma desidratação da pele, e é determinada não só pela perda de água superficial, mas, sobretudo, por alterações na composição lipídica do estrato córneo e FHL e/ou a um desequilíbrio na capacidade da pele reter a água da superfície, com base na sua concentração de NMF.

Estas alterações na aparência e estrutura da camada córnea superficial (do FHL e NMF) são ativadas por causas internas e externas que favorecem o ressecamento da pele, mais ou menos grave.

Fatores internos

  • Genética: há evidência que demonstram que pessoas com problemas de xerose cutânea tendem a ter historial familiar deste problema.
  • Idade: os idosos são fisiologicamente mais propensos à secura da pele. No processo normal de envelhecimento, as células da sua pele são afetadas, por alterações de funcionalidade e estrutura. A xerose senil é uma manifestação da pele seca associada à velhice.
  • Menopausa e pré-menopausa: as alterações hormonais associadas a esta fase da vida favorecem uma maior tendência ao ressecamento da pele e maior incidência de xerose cutânea.
  • Dieta: uma alimentação carente em nutrientes úteis para manter a hidratação normal da pele e a sua composição, não apenas nos lipídios, pode promover problemas de Xerose Cutânea. As vitaminas A, C e E e vitaminas B, bem como minerais como cobre e zinco estão envolvidos em numerosos processos metabólicos que também regulam a estrutura e funcionalidade da pele. Portanto, frutas e verduras nunca devem faltar, assim como ácidos grordos poli-insaturados, em especial o ómega-6. Estes nutrientes estão presentes nas sementes de hortaliças e no óleo de linhaça, borragem e primrose. Por fim, nunca se esqueça de beber água.
  • Medicamentos: alguns medicamentos promovem fenómenos de xerose cutânea, por exemplo, diuréticos.
  • Doenças: existem algumas doenças que desencadeiam xerose cutânea, como a diabetes, como um sintoma secundário. ”

Fatores externos

O ambiente, assim como os maus hábitos de higiene e cuidados com a pele, podem afetar sua integridade e bem-estar.

  • Temperatura ambiente: se for muito alta, pode favorecer perdas excessivas de água devido à evaporação.
  • Humidade do meio ambiente: um ambiente seco, consequência dos aquecedores no inverno ou do ar condicionado no verão, combinado com janelas cada vez mais isolantes, promove a perda da humidade natural presente na superfície da pele. A água da superfície tende evaporar para o ambiente seco para compensar a baixa humidade.
  • Condições climáticas: o vento e o frio do inverno e o sol do verão podem favorecer alterações na composição da pele e perda de água que levam à xerose cutânea.
  • Exposição não adequadamente protegida contra os raios UV.
  • Tabagismo.
  • Utilização de detergentes particularmente agressivos ricos em surfactantes: lavam a gordura e, portanto, também o filme hidrolipídico superficial.
  • Uso de cosméticos que não sejam adequados à sua pele ou não sejam suficientemente protetores, na presença de condições climáticas ou ambientais que favoreçam a desidratação da pele. Especialmente nos primeiros sintomas de secura, não proteger e nutrir a pele com um cosmético adequado, pode favorecer o desenvolvimento de xerose cutânea.

Cuidar e prevenir a xerose da pele

Na presença de xerose cutânea, a abordagem mais recomendada é controlar a exposição a fatores externos que a favorecem.

Posteriormente, é importante adotar hábitos adequados de limpeza e hidratação para a pele. É igualmente importante aprender a proteger a pele com cosméticos adequados quando a temperatura, a humidade e as condições ambientais se tornarem difíceis de controlar.

  • Limpe a pele seca com produtos delicados e nutritivos que não alterem o filme de ácido hidro-lipídico da pele. Portanto, evite banhos longos ricos em espuma e surfactantes e opte por aplicar leites ou óleos de limpeza mais delicados.
  • Hidrate a pele com cremes, óleos ou geles adequados para quaisquer alterações no filme hidrolipídico ou deficiências de NMF. No primeiro caso, dependendo do grau de alteração do NMF, são recomendados óleos ou cremes que nutrem o FHL para reequilibrá-lo e, ao mesmo tempo, compensar as alterações de sua integridade. A base oleosa é frequentemente composta de óleos e manteigas, como manteiga de carité. Quando, por outro lado, a pele seca é devida à deficiência de NMF, é aconselhável escolher formulações que contenham agentes humectantes que compensam a sua menor concentração, numa perspectiva de reequilíbrio. A ureia e a PCA são componentes naturais do NMF e também representam os componentes humectantes presentes em alguns produtos cosméticos. Geralmente, a pele seca mostra alterações no FHL e formulações cosméticas à base de manteiga de carité ou óleos emulsionados com ureia, PCA e outros humectantes estão disponíveis para melhor satisfazer as necessidades da pele particularmente seca. A xerose da pele é também frequentemente associada a deficiências de ceramidas e podem ser encontradas formulações adequadas para o seu reabastecimento.
  • Proteja-se das condições climáticas adversas: cubra as mãos e o rosto bem no clima frio do inverno e proteja a pele da desidratação UV e da perda de água através da transpiração no verão.
  • Evite ambientes secos ou use um cosmético de efeito barreira para evitar perdas excessivas de água da superfície.
  • Use luvas se usar detergentes para a limpeza de loiça agressivos em casa ou no trabalho.
  • Evite banhos de água quente que sejam muito longos e, se lavar várias vezes ao dia, limite o uso de um detergente de cada vez.
  • Beba água e siga uma dieta equilibrada e saudável, rica em frutas, vegetais e fontes de ácidos gordos poli-insaturados com ómega 6.

A maioria destas regras - quando se trata de nutrição, limpeza da pele e proteção da pele do meio ambiente - também se aplicam para evitar a xerose cutânea.

Quanto à escolha de cosméticos, é aconselhável a utilização de produtos hidratantes e protetores, na presença de condições climáticas ou ambientais que favoreçam o desenvolvimento da pele seca.

Em qualquer situação, é essencial aprender a escutar a pele e suas necessidades e, ao primeiro sinal de leve ressecamento, combater desifratação da pele.

Agora que sabe um pouco mais sobre a xerose cutânea, como preveni-la e controlá-la, basta perceber se a sua pele está seca e responde às suas necessidades. Lembre-se sempre de hábitos saudáveis ​​de alimentação, de vida e de beleza para evitar perdas de água e lipídos, que possam influenciar o seu bem-estar!

 PARTILHAR:
clicca qui
prodotto novità

Uma nova fórmula
para cuidar
da pele seca.

Gire o dispositivo para visualizar melhor o site