Bio-Oil Portugal

Este site utiliza a tecnologia mais recente de modo a proporcionar-lhe uma experiência simples e funcional de utilização.
Para visualizar, por favor, instale um browser mais recente:
Google Chrome, Mozilla Firefox o Microsoft Edge

DATA: 29.11.2018

Normal, seca, oleosa ou mistura: que tipo de pele tem?

 AÇÃO:

Muitas vezes ouvimos falar sobre diferentes tipos de pele: normal, seca, oleosa ou mista. Mas o significa ao certo? Como posso saber qual o seu tipo de pele?

Em geral, o tipo de pele responde a um conjunto de características específicas (e óbvias da nossa pele) que nos permitem classificá-la como normal, seca, oleosa ou mista.

Essa classificação, é importante porque nos permite identificar os 4 tipos mais comuns de pele e, ao mesmo tempo, as suas necessidades estéticas específicas.

Saiba como conhecer o seu tipo de pele para escolher o tipo cosmético mais adequado para si.

A pele perfeita existe?

O estado ideal da pele representa um equilíbrio entre estrutura e funcionalidade que permite manter a sua integridade a todos os níveis e parecer suadável, suave, macia e elástica. Numa palavra: perfeita.

Embora muitas vezes falemos de um ideal de beleza estética da pele, na realidade, para o nosso corpo, é acima de tudo uma questão de manter a nossa primeira linha de defesa contra o exterior.

A pele representa um órgão muito importante: cobre nosso corpo e protege-o è superfície de potenciais ataques externos.

#ORGULHONAPELE Normal? Seca? Oleosa? Ou mista? Descubra que tipo de pele tem!

Click to Tweet

A sua integridade estrutural, funcionalidade e capacidade de reagir a qualquer tipo de estímulo ou ataque, tornam-se elementos essenciais para nossa saúde e também para a nossa beleza.

Esres elementos são também fortemente influenciados uns pelos outros num jogo de equilíbrios, em que certos aspectos e componentes condicionam o nosso tipo de pele.

Epiderme: a camada superficial da pele

A camada superficial da pele é a epiderme, uma estrutura multicamada que cobre a derme e consequentemente a hipoderme.

As células epidérmicas, da camada basal mais profunda à camada superficial do estrato córneo, enfrentam um ciclo de vida que as transforma em queratinócitos, células ricas em queratina, e mais tarde células mortas com o surgimento de células escamosas.

As células mortas libertam-se naturalmente da superfície.

Este ciclo dura cerca de um mês e é suportado pela troca celular contínua, que garante a integridade do estrato córneo e espessura constante da pele.

Os queratinócitos são vivem pouco tempo, mas criam uma estrutura resistente a qualquer tipo de ataque externo. Representam, portanto, um elemento essencial para tornar a pele uma barreira forte e resistente a ataques externos.

Alterações na troca celular contínua ao nível da superfície da pele, por exemplo, acelerações ou inibições das mesmas, podem, portanto, alterar as características da pele ideal.

Ceramidas

O estrato córneo à superfície da pele é composto pelas células. O estrato sobre o qual o estrato córneo repousa é composto de queratinócitos e sua homogeneidade e integridade são garantidas pela sua capacidade de sintetizar ceramidas.

As ceramidas são substâncias gordurosas que “cimentam” os queratinócitos, tornando a pele superficial resistente e impermeável à água. Além disso, tornam a epiderme compacta e impedem não apenas a entrada, mas acima de tudo, a perda de água para as áreas mais profundas da pele.

Filme hidrolipídico ou FHL

O filme hidrolipídico ou FHL é caracterizado por ser uma barreira impermeável ao exterior e ao pH ácido, sendo constituído principalmente por sebo (95%) e suor.

É uma camada fina que cobre a nossa pele dando-lhe suavidade, uma vez que assegura tanto o teor de água, como a hidratação e as trocas de água com o ambiente, em particular as perdas de água insensíveis ou TEWL (Trans Epidermal Water Loss), bem como a passagem de outras substâncias do interior para o exterior da pele.

Alterações na composição do FHL refletem-se, portanto, nas propriedades e funcionalidades da pele, tornando-a seca, oleosa ou mista, mas também enfraquecendo sua capacidade de defesa para o exterior e sua sensibilidade.

Fator de Hidratação Natural ou NMF

É um dos componentes mais importantes do FHL, um fator determinante na regulação da hidratação normal da pele.

O NMF (Fator Hidratante Natural) consiste em aminoácidos misturados com substâncias açucaradas e se distingue pela sua capacidade de reter água, em particular a água presente no meio ambiente.

Desta forma, o NMF mantém uma humidade muito leve na superfície do FHL e retarda a desidratação da pele, evitando a evaporação da água na sua superfície.

Se um ou mais desses fatores forem alterados, a pele pode tornar-se seca, oleosa ou mista.

Diferentes tipos de sabão, meio ambiente, genética, reatividade e alterações hormonais estão entre os fatores mais envolvidos nas alterações da pele.

A partir da definição de pele ideal, identificamos vários tipos de pele entre com diferentes características e causas. Conheça os cosméticos adequados para manter, prevenir ou reequilibrar o seu tipo de pele.

Pele normal: o ideal

A pele normal é o tipo de pele que melhor se adapta a ataques externos e hábitos pouco saudáveis, reagindo quase que da maneira ideal para voltar o mais próximo possível das suas características ideais.

Podemos dizer que a pele ideal está mais próxima do conceito de utopia do que da realidade e, nesse sentido, é a que mais se aproxima do conceito de perfeição.

A pele das crianças poderia representar melhor a ideal, mas, se analisada em profundidade, devemos limitar-nos ao conceito de normalidade, pois haverão sempre alterações mínimas da pele que exigem algum cuidado.

Uma pele normal apresenta uma boa troca celular ao nível da epiderme, um filme hidrolipídico uniforme e funcional, com uma concentração adequada de NMF e uma produção adequada de ceramidas.

Todos estes aspectos podem ser resumidos numa palavra: equilíbrio.

O conceito de equilíbrio explica como uma pele normal mantém a sua estrutura normal, funcionalidade e resistência, apesar do meio ambiente e dos diferentes hábitos.

Na prática, é um tipo de pele que não só se adapta e resiste a estímulos externos ou internos que poderiam alterá-la, mas reage com o objetivo de restaurar o seu equilíbrio fisiológico, isto é, a sua normalidade.

Assim, a pele normal pode ser:

  • a consequência de um bom património genético
  • o resultado de um cuidado redobrado na escolha dos cosméticos mais adequados para manter a pele saudável e prevenir alterações que desenvolvam secura ou oleosidade
  • uma mistura de genética e alimentação, hábitos de vida e cuidados de beleza saudáveis

Em todos esses casos, o importante é saber ““ouvir”” a sua pele e responder no momento certo com a solução de que precisa.

Quem tem uma pele normal, além de uma dieta saudável e estilo de vida, também deverá tomar cuidado para não escolher um sabão agressivo que possa alterar o filme hidrolipídico da sua pele.

Um óleo para o corpo ou uma emulsão O/A com uma fase interna alta (isto é, com uma fase oleosa, muito concentrada e em uma porcentagem maior que a fase aquosa externa) podem ser aliados para prevenir possíveis alterações do filme hidrolipídico, bem como da estrutura da camada mais superficial da pele.

É também importante escolher o cosmético mais adequado para suportar o ambiente externo com base nas estações do ano. Por exemplo, no inverno, com o frio, as mãos estão sempre expostas ao vento e às geadas, assim como no verão, após a exposição ao sol, a pele deve ser sempre nutrida e protegida.

Pele seca: a pele com mais com necessidade de lipídios e água

A pele seca é áspera, frágil e facilmente irritada. Repuxa e fica vermelha quando entra em contato com a água, podendo descamar e nunca é brilhante, nem na zona T (na testa, nariz e queixo) que geralmente produzem mais sebo.

A pele seca está com sede, mas também está com fome, pois não é apenas falta de água ou desidratação, mas também a ausência de nutrientes essenciais úteis para manter a sua suavidade, brilho, elasticidade e hidratação natural.

De facto, a pele seca necessita de água, mas também de lipídos, nutrientes ou ““matéria prima”” para preservar o filme hidrolipídico e garantir uma ação de cimentação temporária das células superficiais na ausência de ceramidas.

Água e lipídos ou gorduras são elementos caracterizados pela sua fraca afinidade química e, portanto, não se misturam. Se colocarmos água e óleo em um copo, temos o teste prático, observando a clara separação entre as duas fases, aquosa e oleosa.

Mas quando se trata de pele, podemos ver como a ““complexa máquina do homem”” foi capaz de explorar essas diferenças para preservar a fisiologia e estrutura anatómica da pele.

A hidratação da pele e concentração de água livre ou ligada está relacionada com a integridade do estrato córneo, com a funcionalidade protetora do filme hidrolipídico da pele e com a concentração de NMF, fatores que estão interconectados.

A falta de um desses fatores causa perdas de água livre, especialmente na presença de condições ambientais desfavoráveis, hábitos alimentares e estilos de vida menos saudáveis. Na prática, a pele seca não precisa de ser só hidratada, mas também nutrida.

A pele seca é a consequência direta de:

  • falta de ceramidas
  • alterações na renovação celular da epiderme
  • alterações do filme hidrolipídico da pele
  • falta do Fator de Hidratação Natural na pele

Para tal, há fatores internos e externos que favorecem estas alterações:

  • genética → tem sido idenficiada uma herança familiar das pessoas que têm pele seca
  • idade → os idosos tendem naturalmente a ter uma pele mais seca do que os jovens
  • fases da vida → por exemplo, menopausa e envelhecimento, mas também gravidez
  • poluição ambiental
  • alterações hormonais → em especial na menopausa ou na gravidez, por serem caracterizadas por alterações hormonais que podem favorecer alterações cutâneas e promover ressecamento da pele
  • humidade do ambiente → um ambiente seco favorece a evaporação da água superficial
  • condições gerais de desidratação → beber água é um hábito saudável que também se aplica à prevenção da pele seca
  • alimentação saudável variada e rica em frutas e vegetais → somos o que comemos, mesmo quando se trata de pele
  • exposição solar
  • uso de sabão excessivamente agressivo → em particular a presença de surfactantes ou outros agentes desengordurantes promove o ressecamento da pele, ao lavar o filme hidrolipídico
  • uso de cosméticos inadequados → a pele seca deve ser nutrida e hidratada, portanto, dependendo do grau de ressecamento da pele, é necessário escolher produtos que não sejam apenas hidratantes.

Pele oleosa: sebo em excesso

A pele oleosa é caracterizada por uma produção excessiva de sebo pelos folículos pilosos que se manifesta com uma aparência brilhante e oleosa, não só na área T, mas em todo o rosto.

Além disso, a pele oleosa é caracterizada por poros mais ou menos dilatados que tendem a desenvolver pontos negros, resultado da concentração de sebo e acumulação de corpos estranhos, espalhados no rosto e noutras partes do corpo.

A pele oleosa tende a evoluir para uma pele com tendência acneica particularmente rica em sebo devido à reatividade excessiva a estímulos internos e/ou externos. Geralmente, a pele oleosa é uma pele particularmente reativa e sensível a estímulos internos e externos.

A falta de ceramidas e/ou uma filme hidrolipídico alterado desencadeiam uma reação que produz abundante sebo a fim de preencher suas deficiências lipídicas e retornar a um estado de integridade estrutural.

O nosso corpo tende sempre a responder a qualquer alteração, adaptando-se e tentando resolvendo o problema.

Quando se trata da pele, o corpo tenta favorecer o reequilíbrio dos elementos que garantem sua função natural como barreira protetora do corpo humano, como primeira linha de defesa.

Portanto, a pele oleosa é frequentemente o resultado de uma resposta excessiva à deficiência lipídica cutânea.

Isso explica o motivo pelo qual as pessoas com pele oleosa não devem usar sabões desengordurantes: a remoção do excesso de sebo alimenta ainda mais sua produção, entrando num ciclo vicioso.

Quais são as principais causas da pele oleosa?

  • Herança genética: tem sido idenficiada uma herança familiar das pessoas que têm pele oleosa
  • Alterações hormonais: a puberdade é uma fase da vida em que podem haver problemas com oleosidade na pele que podem desencadear a acne devido a oscilações hormonais. Em algumas mulheres, as oscilações hormonais ligadas ao ciclo menstrual podem afetar a produção de sebo e noutras situações caracterizadas por mudanças súbitas nos níveis hormonais.
  • Limpeza com sabões agressivos e desengordurantes
  • Uso de produtos cosméticos não adequados para o seu tipo de pele

A pele oleosa precisa de cuidados de limpeza diários, de manhã e à noite, com sabões suaves que não removem o filme hidrolipídico e produtos astrigentes, como tónicos, que limitam a dilatação dos poros e que os mantêm a sua superfície ““adequadamente desinfetada”“, limitando o ataque de microrganismos que favorecem o desenvolvimento de comedões e acne.

Além disso, deve-se escolher um cosmético que equilibre a produção de sebo, nutrindo a pele com os lipídos que ela necessita e com ingredientes que equilibram o sebo, como Alecrim, Rosmaninho, Limão e muitos outros.

Esses produtos geralmente têm um componente de gordura e preferem cremes O/A ou geles com ação normalizadora de sebo, normalizante e hidratante.

Pele mista: o equilíbrio que falta

A pele mista é provavelmente o tipo de pele mais comum e frequentemente ligado a cuidados de pele incorretos aliados à exposição diária à sua poluição e à variabilidade sazonal do ambiente.

A pele mista tende a ser particularmente gordurosa na área T (nariz, testa e queixo), e mais seca nas bochechas, e na pele redor dos olhos, mãos, cotovelos e pernas.

Além disso, no rosto, podem ser destacadas duas situações:

  1. pele mista com tendência para pele seca, se as áreas secas forem mais extensas
  2. pele mista com tendência para pele oleosa, caso contrário

A pele mista é a consequência de:

  • proteção deficiente da pele no verão ou no inverno, ao sol ou em contato com a geada e o vento
  • uso de cosméticos inadequados ou muito agressivos que eliminam o filme hidrolipídico ou alteram o pH ácido da pele que reage ao tentar equilibrar as condições normais nas áreas afetadas
  • alterações na estrutura da pele, composição do filme hidrolipídico e concentração de ceramidas
  • alimentação desequilibrada e maus hábitos de vida

A pele mista precisa de cosméticos que reequilibrrm a sua estrutura e funcionalidade, bem como a adoção de uma dieta variada e equilibrada, rica em frutas e vegetais e de uma vida mais saudável.

Em particular, deve ter-se o cuidado na escolha do sabão certo para a limpeza do rosto e do corpo e, ao mesmo tempo, na escolha dos tónicos, máscaras e outros produtos cosméticos com ação direcionada.

No que diz respeito a cremes, óleos e geles, o produto de normalização mais adequado para áreas muito secas ou muito gordurosas da pele do rosto e do corpo também deve ser escolhido cuidadosamente.

Agora que já sabe qual o seu tipo de pele, basta escolher o cosmético mais adequado para si. Todo tipo de pele normal, seca, oleosa ou mista tem suas necessidades… Conhecê-las vai ajudá-la a fazer escolhas direcionadas para sua beleza e saúde!!

 PARTILHAR:
clicca qui
prodotto novità

Uma nova fórmula
para cuidar
da pele seca.

Gire o dispositivo para visualizar melhor o site